Quem sou eu

Minha foto
Maricá - Itaipuaçu, Rio de Janeiro, Brazil
Sou poetisa, cantora, compositora e amante das artes.

quarta-feira, 31 de março de 2010

Faça-me o favor! (Beatriz Oliveira)

Não!

Um abraço só não basta!

Tenho desejo de envolvê-lo inteiro,

Num carinho terno e contínuo,

Enquanto beijo seu rosto, seus olhos, seus lábios...

Não, não basta somente um abraço!

Desejo beijá-lo docemente,

Primeiro o rosto, depois o dorso,

Depois o resto, sem pudor algum,

Sem nenhum limite,

Enquanto sinto crescer sua “dorprazer”

E explodir sua vida inteira em mim.

Não. Definitivamente,

Um abraço só não basta!

Um beijo deve ser dado.

Um beijo bem viajado, molhado,

Pra valorizar meu calor.

É o mínimo, menino.

O mínimo!

Por favor!

segunda-feira, 15 de março de 2010

A VOZ DO DESTINO (Beatriz Oliveira)


Sentada, olhando ao longe,

Confundo teu balanço com as ondas.

O mar dessa cidade te anuncia.

Som, sol, juventude, alegria.

Teu sorriso é a melhor coisa desse lugar.

Às vezes, caminho procurando te encontrar,

Mas o destino manda que te escondas.

Ando sonhando com a tua luz.

E é bom, pois ando iluminada.

E tudo que eu desejo é que vejas a minha luz.

Mas esse não é meu tempo, nem meu lugar,

E o destino manda que eu me esconda...

terça-feira, 9 de março de 2010

ESTRATAGEMA (Beatriz Oliveira)


Pensa no meu poema como a implicação de um teorema,

Sobre o qual me debato e desespero na ânsia louca de provar.

Por isso, escrevo coisas que desejo, sonho e almejo,

Coisas que penso incessante e ardentemente um dia alcançar.

Penso em beijar tuas gemas. Esmeraldas claras.

Beijá-las tanto e tão docemente, que teus lábios ardentes

Tremam por esperar um beijo doce da minha boca rara

E tuas mãos tateiem o ar a busca de algo inexprimível.

Penso no meu poema como um pequeno estratagema,

Um modo de mostrar-me, dizer-me, desnudar-me,

Por isso, escrevo o que penso, sinto e vejo,

Com o intento de que vejas além do que olhas, a olho nu.

Com o intento de que queiras ver o meu corpo nu.

domingo, 7 de março de 2010

DE NÓS (Beatriz Oliveira)



Hoje eu descobri uma coisa interessante:

Eu não posso olhar pra você!

Embora você sempre me agrade, em todos os aspectos,

A visão da sua totalidade me apavora.

A sua beleza é tão incognoscível e tão peremptória

Que eu me perco.

Olhar pra você é um exercício de autocontrole.

Sentir seu cheiro, ver seu sorriso e não beijar sua boca

É uma agonia intensa.

Penso que já notam. Oxalá não!

Pois que me entrego, como que numa viagem etérea,

Eterna, onde só há dois sorrisos:

Um aberto, lindo,

E um bobo, o meu.

Eu, definitivamente, não posso olhar pra você!

Não! Eu não estou apaixonada!

Nosso caso é impossível! E você nem me vê...

Não quero que você me dê nada!

Só quero eu me embebedar de um pouco de poesia,

Dessas que brotam de embevecimento, de beleza,

De sorrisos, de música, de olhares, de mãos,

De perfumes, de suor, de você, de mim...

National Geographic POD